Finanças na Bíblia em Três Princípios

Finanças na Bíblia em Três Princípios

A Bíblia apresenta uma série de orientações relacionadas a finanças, dinheiro e riquezas materiais. Neste artigo, possivelmente com demasiada simplificação, nos propomos a resumi-los em apenas três princípios, os quais podem servir de ponto de partida para o estudo de Finanças na Bíblia.

1º. A Vida não Consiste em Acumular Bens

Embora ficar rico não seja necessariamente um problema, claramente a Bíblia adverte contra o acúmulo de riquezas como prioridade de vida.

Jesus disse: “Cuidado. Fiquem de sobreaviso contra todo o tipo de ganância; a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens.”
Lucas 12.15

Ao contrário, a prioridade de vida deve ser a obediência e fidelidade a Deus que, na área de finanças, implica confiar na sua provisão.

“Portanto, não se preocupem, dizendo: ‘Que vamos comer?’ ou ‘que vamos beber? ’ ou ‘que vamos vestir?’ Pois os pagãos é que correm atrás dessas coisas; mas o Pai celestial sabe que vocês precisam delas. Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas”.
Mateus 6.31-33

Leia também

2º. Gaste menos do que você Ganha

Confiar em Deus e na sua provisão não significa viver passivamente, pois o trabalho diligente é o preceito bíblico para ganharmos dinheiro e obtermos o sustento.

“Com o suor do seu rosto você comerá o seu pão…”.
Gênesis 3.19

Com a renda que Deus nos concede, geralmente, como vimos, por meio do nosso próprio esforço, somos incentivados a usar o dinheiro com moderação e sabedoria.

“Na casa do sábio há comida e azeite armazenados, mas o tolo devora tudo o que pode”.
Provérbios 21.20

Entretanto, para ser possível gastar menos do que ganhamos, sabemos que nos cabe planejar, evitar dívidas e economizar com prudência. Para isso, ao gastar, a seguinte autorreflexão revela-se pertinente: “É desejo ou é necessidade?” Pois, normalmente, o descontrole financeiro decorre de nossos desejos e não das necessidades, principalmente se consideradas as necessidades conforme biblicamente determinadas.

3º. Seja Generoso

O amor ao próximo, mandamento tão importante, não pode ser ignorado no nosso planejamento financeiro. Prioritariamente, devemos providenciar o suprimento da nossa família e apoiar parentes.

“Se alguém não cuida de seus parentes, e especialmente dos de sua própria família, negou a fé e é pior que um descrente”.
1Timóteo 5.8

Além disso, somos estimulados a usar, com regularidade, parte de nossas finanças para abençoar aqueles que se dedicam à obra do Senhor e, também, atender os que estão em necessidade.

“…lembrando as palavras do próprio Senhor Jesus, que disse: ‘Há maior felicidade em dar do que em receber’”.
Atos 20.35b

Conclusão

A vida não consiste em acumular bens. Gaste menos do que você ganha. Seja generoso. Entendo que esses três princípios, fáceis de compreender e de memorizar, resumem os principais Princípios de Finanças na Bíblia (também denominados Princípios de Mordomia Fiel) que, se praticados com diligência, levam a uma vida financeira equilibrada e abençoada por Deus.


Leia também