Sabedoria Financeira I

Sabedoria Financeira I

Pesquisando no Dicionário Michaelis, encontrei os seguintes significados para a palavra “Sabedoria”: (1) Qualidade de sabedor; erudição. (2) Grande soma de conhecimentos. (3) Conhecimentos filosóficos e científicos. (4) Totalidade dos conhecimentos adquiridos. (5) Aplicação inteligente dos conhecimentos. (6) Caráter do que é dito ou pensado sabiamente. (7) Conduta orientada de acordo com o conhecimento daquilo que é verdadeiro e justo. (8) Grande circunspeção e prudência; juízo, bom senso, razão, retidão. (9) Discernimento adquirido pelas experiências de uma longa vida. (10) Conhecimento inspirado das coisas divinas e humanas.

Para Salomão, o rei mais rico e sábio de Israel, nenhum bem material pode se comparar à sabedoria, como ele próprio afirma: “O homem que encontra a sabedoria e descobre a verdade é um homem feliz! A sabedoria produz muito mais benefícios do que o ouro ou a prata mais finos. Ela vale mais do que pedras preciosas; não existe nada neste mundo que valha tanto quanto ela. Veja o que ela oferece ao homem! Uma vida longa e tranquila, riquezas e honras” (Provérbios 3.13-16).

Inteligência e Sabedoria Financeira

Para mim, ter inteligência financeira é muito importante; ter sabedoria financeira reveste-se de importância ainda maior.

Trocando em miúdos, eu poderia fazer a seguinte comparação: Ter a capacidade de ganhar muito dinheiro em pouco tempo pode ser um sinal de sua inteligência financeira. Aplicá-lo de maneira que venha beneficiar você, sua família, como também outras pessoas necessitadas, pode ser sinal de sua sabedoria financeira.

Quando alguém faz uso incorreto do dinheiro, seja para consegui-lo (através de roubo ou corrupção, por exemplo) ou aplicá-lo, mesmo que o faça com inteligência, não estará sendo sábio. A sabedoria reclama valores espirituais e por isso é mais elevada.

Dinheiro e Espiritualidade

O tema espiritualidade vem ganhando cada vez mais força dentro do ambiente corporativo. A edição da Revista Você S/A que chega nas bancas esta semana (Abril/2005) aborda o tema. Isso não é de admirar.

Salomão, autor dos livros de Provérbios e Eclesiastes já conhecia profundamente esta relação para todas as áreas da vida. Seu pai, Davi, que também foi rei em Israel tinha um profundo relacionamento com Deus, e por conta disto, ainda quando era jovem pôde vencer o gigante Golias num confronto direto. Davi reconheceu que foi a própria ação de Deus que lhe assegurou a vitória neste embate que envolvia forças aparentemente díspares.

Salomão conhecia o poder do relacionamento com Deus e por isso pediu a Ele sabedoria para liderar o povo de Israel ao que Deus respondeu: “Já que o seu maior desejo é ajudar o seu povo, e você não pediu tesouros, riqueza pessoal, nem honras, nem me pediu a destruição dos seu inimigos, mas pediu sabedoria e conhecimento para dirigir bem o meu povo sobre quem coloquei você como rei – sim, eu vou dar a sabedoria e o conhecimento que você pediu! E também vou dar tantas propriedades, riqueza e honras como nenhum outro rei antes de você já teve! E também não vai haver outro rei tão importante assim depois de você!” (2 Crônicas 1.11-12).

Por isso, sabedoria financeira é algo que extrapola o aspecto meramente material e nos encaminha para a fonte maior da sabedoria: Deus.

Sabedoria para os Tempos Modernos

A Sabedoria Financeira está enraizada em princípios eternos, que chamo de supra culturais, pois extrapolam os aspectos histórico e cultural de quando foram escritos e podem ser aplicados eficazmente em qualquer época.

Por isso, quando Salomão, há cerca de três mil anos, em seus escritos de Provérbios e Eclesiastes, apresenta princípios de sabedoria financeira, você pode ter a convicção de aplicá-los em nossa sociedade moderna, com a certeza de que tais princípios levarão você a ter uma vida financeira cada vez mais bem sucedida.

“O homem sábio que ouvir com atenção estas palavras se tornará ainda mais sábio; o homem experiente será capaz de entender e resolver problemas complicados. Mas como é que um homem se torna sábio? Em primeiro lugar, respeitando e obedecendo ao Senhor. Somente os tolos se recusam a serem ensinados e desprezam a sabedoria” (Provérbios 1.5-7).

Autor: Paulo de Tarso – Idealizador do ministério Finanças Para a Vida.